top of page
  • Abner Vellasco

Seguradora deve honrar seguro de vida apesar de inadimplência nas últimas parcelas do prêmio



A juíza substituta do 4º Juizado Especial Cível de Brasília condenou uma seguradora a pagar a indenização de seguro de vida, em benefício da autora, com o desconto das parcelas do prêmio em aberto.


O pai da requerente contratou um seguro de vida com a instituição ré, no qual constava como única beneficiária a autora. No entanto, após seu falecimento, o seguro de vida não foi honrado, pelo fato de as últimas parcelas não terem sido pagas.


A autora alegou que o pagamento não foi realizado diante do quadro de saúde do pai, que o impedia de honrar com suas obrigações. Ela assegurou também que o falecido não foi intimado sobre a possibilidade de cancelamento do contrato, o que violaria jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Em sua defesa, a ré confirmou que o cancelamento do contrato ocorreu em face do inadimplemento relatado. Desta forma, não teria responsabilidade de honrar com as obrigações previstas em contrato.


Afirmou que o problema de saúde do falecido não configura força maior tendo em vista a previsibilidade do quadro, considerando a idade e as doenças que o acometiam. Alegou ainda que a possibilidade de cancelamento pela falta de pagamento do prêmio possui previsão contratual e que não se aplica o Código de Defesa do Consumidor (CDC) ao caso concreto.


O pai da autora faleceu em decorrência de câncer, tendo sido submetido a tratamento hospitalar, internado por diversos meses, justamente no período em que ocorreu a inadimplência das parcelas do prêmio do contrato de seguro.


A magistrada que analisou o caso considerou evidenciada, assim, a ocorrência de força maior, a justificar a inadimplência das parcelas devidas. Além disso, a juíza ressaltou que a ré, previamente à extinção do contrato, não adotou a prudência exigida nas situações de cancelamento do ajuste securitário.


No caso, a seguradora ré não comprovou ter comunicado previamente ao segurado sua intenção de cancelar o contrato de seguro, apesar de devidamente intimada a fazê-lo, especialmente pelo fato do segurado ter honrado com suas obrigações pecuniárias sem atraso durante muitos anos.


No mesmo sentido, a magistrada lembrou a súmula 616 do STJ, que dispõe: “A indenização securitária é devida quando ausente a comunicação prévia do segurado acerca do atraso no pagamento do prêmio, por constituir requisito essencial para a suspensão ou resolução do contrato de seguro.”


Assim, confirmou que tal comunicação deveria ter sido feita independente do estado de saúde do segurado. “Desta forma, tenho que o cancelamento do contrato se deu de forma arbitrária, dissociada dos princípios contratuais em vigência, pelo que mantém-se a seguradora com a obrigação de honrar com a indenização prevista na apólice”.


Não conseguiu receber o prêmio do seu seguro?


Fale conosco e solicite a avaliação do caso por um advogado especialista!



Entre em contato pelos nossos canais:






4 visualizações0 comentário
bottom of page